A Lista
Autor (a): Jennifer Tremblay
Editora: Autêntica
Número de Páginas: 80
Onde comprar: Saraiva |  Livraria Cultura |  Casas Bahia |  Extra | 

Sinopse: 'A Narradora se desespera; ‘O que você, Caroline, gosta no fato de ter filhos?’ , ‘Gosto da facilidade de se amar os filhos’. Gosto da facilidade de se compreender este texto. Gosto da tradução da Risa. Da poesia da Jennifer. Do ritmo alucinado de sua calma. Batidas à porta. Mais portas. Menos janelas. Mais saídas reais. Apareça lá em casa. Mesmo. Traga seu pijama. Eu acendo a lareira. Eu não tenho lareira. Mas acendo. Também trago no peito as marcas das minhas listas impossíveis. Também preciso parar. Abrir a porta. Pois trago no peito a memória de nossa humanidade possível. Apareça. Agora estou menos enlouquecida. Agora estou aqui, de verdade.


 Resenha:
De início é um livro que se refere a listas, longas listas, de lembretes e tarefas a listas simples do dia a dia. No fim e no contexto geral, é um livro de culpa, a atormentada culpa de uma jovem mulher.

Um monólogo teatral que nos mostra a vida de uma mulher bem atarefada com os filhos, com a casa, com o marido, sonhando com um tempo para si. Ela recebe a visita de Caroline, sua vizinha, que mesmo com quatro filhos, sempre tem um tempo pra ir visitá-la.

Caroline inclusive sonha em ter mais um filho, o quinto, o que foi uma grande surpresa para nossa protagonista. Ela acaba pedindo sua ajuda, mas com tantas tarefas e coisas para se fazer, ela acaba esquecendo-se de conseguir um contato de um novo médico para a amiga.

Durante a narração da história, percebemos como é tão corrida a vida dessa mulher, a culpa é sua companheira que não a abandona em momento algum, sua negligência ou falta de tempo foi algo crucial para determinado fim.

Um livro que nos faz refletir, deixando quase que claro a questão de prioridades em nossas vidas, como se a todo momento que fazemos listas imaginárias em nossas cabeças, e com o passar do tempo, questão de minutos, certas tarefas já não tem a mesma importância, são todas passivas de importância e de certa emergência.

Com uma escrita leve, direta e rápida, a autora dividiu em quatro atos: Expiração, Opressão, Dispneia, Síncope, Asfixia, Sufocação e Inspiração, pontos que deixam a personagem tão real e bem construída, e com um entendimento das aflições e sentimentos dela.

A diagramação é um capricho, tamanho e fonte ótima para leitura. A capa é simples, discreta e lindamente escolhida para tal história.


A autora faz jus aos prêmios que já conquistou, que foram muitos e tantas obras traduzidas em diversos idiomas.


Um Comentário

  1. Oi!
    Ainda não conhecia o livro, parecer ser uma leitura bem levinha mesmo.
    Fiquei curiosa para conhecer as listas e tarefas da personagem. rsrsrs
    Beijos

    Elidiane
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir

Agradeço desde já sua visita, adoraria saber sua opinião, critica, elogio, sugestão.
Ah deixe seu link que assim que possível retribuo a visita e o comentário.
Alguma dúvida enviar o e-mail para mari.blogstoriesandavice@gmail.com.
Beijo Mari ♥