Olá leitores!

Hoje trago lançamentos da editora parceira L&PM Editores, como já mencionei inúmeras vezes minha pequena coleção só aumenta, em breve publico a parte da estante separada só pra eles hehe, vamos as novidades.






Conversas com minha gata

Os conselhos de um felino para se dar a volta por cima

A vida da publicitária Sara León não está nada fácil. Graças à rotina insana de um trabalho que não gosta mais, ela sofre um colapso nervoso no meio de uma reunião importante. De licença médica, decide “discutir a relação” (que está para lá de morna) com seu namorado de dez anos, Joaquín – e assiste, perplexa, ele propor a separação.­
Prestes a completar quarenta anos, Sara olha para a própria vida e tem a impressão de que não realizou nada, não viveu nada, não conquistou nada. Mas eis que neste momento tão sombrio a ajuda bate à sua porta – ou seria à sua janela? – da forma mais inesperada possível: uma independente e sofisticada gata amarela pede para entrar em sua casa... e em sua vida.


Sibila – é com este nome que ela se apresenta – é uma gata escaldada que já correu as ruas de Londres e, em suas andanças, parece ter adquirido mais confiança e sabedoria que qualquer humano. Com sua sagaz filosofia de felino e o olhar incisivo de uma espécie que nos observa há milênios, ela se torna conselheira e confidente de Sara, ajudando-a a sair da fossa e a redescobrir os  pequenos prazeres da vida. Mas em meio a esta jornada de autodesco­berta, Sara começa a questionar se suas conversas com Sibila não seriam, na realidade, sintoma de uma loucura incipiente e incontornável.

Eduardo Jáuregui, em seu primeiro romance, dá vazão a seu conhecimento de anos como psicólogo especiali­zado em senso de humor. Um romance bem-humorado para amantes da vida – sejam eles amantes de gatos ou não.

 Pic
A estrada da vida.
É na estrada que Pic conhece o mundo, e é a sua voz que conduz esta narrativa de descobertas. Do Sul para o Norte dos Estados Unidos, cruzando de ônibus a linha Mason-Dixon, Pic, na companhia de seu irmão mais velho, vai descobrir uma nova vida em Nova York. Ao chegar na cidade grande, tudo o alucina: o jazz, as luzes, os arranha-céus que ofuscam a pobreza em que o irmão e a esposa grávida vivem. A salvação – se é que ela existe – parece estar do outro lado do país, no extremo oeste da Califórnia.

Por trás da história do pequeno Pic, Jack Kerouac retrata a formação de um menino em meio ao contexto de segregação racial vigente nos Estados Unidos dos anos 40, que por sua vez remete a um passado – nem tão distante – de escravidão. Em Pic, a experimentação da narrativa em primeira pessoa em busca de uma linguagem autêntica explode num texto predominantemente coloquial – delicado ao retratar esses dois irmãos que estão em busca de uma vida melhor e áspero ao mostrar a realidade tão dura na qual estão inseridos. 

Publicado postumamente, em 1971, Pic começou a ser escrito na década de 50 e teve um papel impor­tante no desenvolvimento dos experimenta­lis­mos esti­lísticos que seriam levados às últimas consequências no clássico On the Road. Trata-se de um texto sui generis na obra do autor, considerado por muitos a comprovação de que Kerouac podia escrever sobre todo e qualquer assunto.


Mulheres
Mulheres protagonistas da história e mulheres esquecidas por ela; mulheres que sonham e mulheres castigadas por sonhar; mulheres que sobrevivem e mulheres que nos ajudam a sobreviver. As mulheres que atravessam os relatos de Eduardo Galeano comovem por sua determinação, sua desobediência constante e também por sua fragilidade.

Galeano compartilha a intensidade de personagens femininos marcados pelo peso de uma causa, como Joana d' Arc, Rosa de Luxemburgo, Eva Perón ou Mães da Praça de Maio; pela sua própria formosura e talento, como Marilyn Monroe, Rita Hayworth, Frida Kahlo, Alfonsina Storni, Camille Claudel ou Josephine Baker. Mas também compartilha as façanhas coletivas de mulheres anônimas: aquelas que lutaram na Comuna de Paris, as que impregnam os templos africanos da Bahia com seus cânticos, as que - num prostíbulo da Patagônia argentina - se negaram a receber os soldados que tinham reprimido a greve dos peões.

Como a personagem que abre o livro, a Sherazade de As mil e uma noites que a cada jornada contava uma nova história ao rei para permanecer viva, Galeano entrega em cada relato sua maestria de narrador oral e de artesão da linguagem, para conjurar o esquecimento mas também para celebrar a experiência daquelas que nunca se resignam.

Fiquei curiosa por Conversas com minha gata e vocês?


Deixe um comentário

Agradeço desde já sua visita, adoraria saber sua opinião, critica, elogio, sugestão.
Ah deixe seu link que assim que possível retribuo a visita e o comentário.
Alguma dúvida enviar o e-mail para mari.blogstoriesandavice@gmail.com.
Beijo Mari ♥